Artigo

Publicado em: 15/7/2015

Automonitoração da glicemia

Por Dra. Cristina da Silva Schreiber de Oliveira
medidor_glicose.jpg

Diabetes é uma doença metabólica crônica que exige cuidados médicos e autogestão contínua. Estudos têm demonstrado a importância de manter o controle glicêmico estável para evitar complicações a curto e a longo prazo . Estes cuidados com o controle glicêmico reduzem o risco de eventos agudos (crises de aumento ou queda da glicemia), o número de infecções e a probabilidade de complicações a longo prazo, como o infarto e o derrame (AVC).


Fazer a “ponta de dedo” (conhecido como HGT) é um dos principais métodos para fornecer, entre as consultas clínicas, informações imediatas sobre como um paciente está se cuidando e também, possibilitar a autogestão da glicemia.


A automonitorização (AM) da glicose é parte essencial do cuidado dos pacientes com diabetes do tipo 1 e do tipo 2 (DM1 e DM2, respectivamente). É uma ferramenta importante para auxiliar na prevenção das consequências potencialmente graves da hiperglicemia crônica. A AM permite que os pacientes com diabetes possam fazer mudanças diárias no estilo de vida e intervenções farmacológicas (de forma independente ou com o auxílio de seu médico) e, posteriormente, tomar as medidas adequadas.


Abordagens para atingir o controle glicêmico variam e incluem modificações de estilo de vida (ou seja, mudanças na dieta e atividade física), medicamentos orais ou injetáveis, associados ou não a um regime de insulina. Dados atuais nos mostram que apenas cerca de 30% dos pacientes com Diabetes no Brasil estão conseguindo reduzir a hemoglobina glicada (A1C) para nível menor que 8% ou seja, uma completa desinformação sobre como anda seu nível de açúcar no sangue!


E como começar?


Você precisará de um glicosímetro (que custa em torno de 70 reais), fitas reagentes (entre R$ 1,50 e 2,00) e lancetador. Passará então a fazer a ponta de dedo ou glicemia capilar (HGT) quantas vezes por dia combinar com seu médico.


Se você for um paciente com DM1, provavelmente deverá fazer entre 4 e 6 glicemias por dia. Já se for DM2, deverá conversar com seu médico. Caso estiver com tudo em dia, poderá fazer apenas uma ou duas vezes diárias. Porém, se estiver descompensado, deverá realizar até 5 vezes ao dia para conseguir readequar o medicamento e a alimentação o mais rápido possível! Não se deve demorar um ano para compensar o Diabetes. Médico e paciente conectados fazem com que logo o controle glicêmico seja atingido.


Alguns pacientes só percebem o chamado erro alimentar quando começam a fazer a glicemia! Desconhecem que um pequeno doce pode elevar muito a glicemia. Ou então, nunca passaram a moderar no pão. Só o fazem depois de controlar o açúcar com o glicosímetro.


Por isso, converse com seu médico! Ele dirá quantas vezes esta indicado no seu caso. Quais são as suas metas glicêmicas (jejum entre 100 e 110 mg/dl?) e as metas para 2 horas após a refeição. Ensinará o que fazer na hipoglicemia para que você não ingira açúcar demasiado para corrigir os baixos níveis de glicose e assim, piore muito seu controle após aquele momento!


O controle glicêmico deve se tornar um hábito como o escovar os dentes para o Diabético. A observação e as intervenções para melhorá-lo lhe trarão saúde, comodidade e conhecimento sobre si próprio e sobre seus limites.



------------------------------------------------------

Dra. Cristina da Silva Schreiber de Oliveira

Médica Especialista em Endocrinologia e Metabologia

CRM-SC 10134 / RQE 8097




CreativeBizz

Guia Médico - Orgão Informativo da Área da Saúde de Florianópolis - atendimento@guiamedicoflorianopolis.com.br