Artigo

Publicado em: 17/1/2011

Cuidados que protegem os joelhos

Exercícios mal feitos podem proporcionar roturas meniscais, ligamentares e tendinosas

Por Dr. Cícero F. Stahnke
SXCartigo_cicero_01.jpgToda atividade física, de pequeno, médio ou grande impacto, independente do tempo de duração, necessita de um aquecimento a fim de prevenir eventuais lesões nos joelhos.

O joelho é a maior articulação do corpo, responsável pela sustentação de 70% do peso do organismo. Estrutura complexa, bastante suscetível a traumas, também é sede de várias afecções, como artrites, bursites e tendinites. É afetada pelo esforço excessivo e pela sobrecarga corporal (sobrepeso ou obesidade). Por isso, surgem de forma cada vez mais precoce e comum, o que faz com que as doenças degenerativas das articulações figurem entre as líderes entre as queixas em consultório.

 

Não é por acaso, portanto, que prevenção é a palavra de ordem no tratamento dos joelhos. Manter o peso sob controle e praticar atividades físicas regulares são atitudes essenciais. Alguns cuidados no dia-a-dia e durante a prática de exercícios também podem colaborar com a saúde dessa articulação.

 

A localização e a função primordial dos joelhos nos membros inferiores favorecem as lesões e os transtornos traumáticos, tornando as lesões internas meniscais e ligamentares muito comuns. Torções no trabalho e postura forçada em determinadas atividades que exigem a manutenção de uma posição agachada facilitam as lesões meniscais. Exercícios mal feitos em academias podem proporcionar também roturas meniscais, ligamentares e tendinosas. Estas últimas podem dar origens às tendinites patelares, da “pata de ganso”, e do quadriceps (músculo da coxa).

 

Anatomia

 

O joelho é composto por três ossos: fêmur, tíbia e patela. Este último aumenta em 30% a força muscular do quadríceps (músculo da coxa). Para se manter estável em toda a sua amplitude de movimento, o joelho necessita de um envoltório, que é a cápsula, e de reforços nos pontos de maior solicitação ou estresse, que são as estruturas ligamentares. Dentre as dezenas de ligamentos, destacam-se os cruzados - anterior e posterior -, os colaterais - interno e externo - e os complexos ligamentares posterolaterais e posteromediais. Os meniscos são estruturas fibrocartilaginosas (de consistência um pouco mais rígida do que a da ponta do nariz) que funcionam como amortecedores e rolamentos, diminuindo a pressão entre o osso da coxa e o osso da perna. Este conjunto desempenha não só um movimento de dobradiça comum, esticando e dobrando, mas sim um movimento complexo de rolagem, translação e rotação.

 

O futebol, como atividade recreativa e esportiva mais praticada no País, é outro fator que predispõe às lesões ligamentares. Nesse caso, os problemas ocorrem principalmente no ligamento medial e cruzado anterior. A incidência do problema é estimada em 1 para cada 3000 pessoas por ano. Na maior parte dos casos, a lesão exige tratamento cirúrgico especializado. Tanto que essa é a quarta cirurgia ortopédica mais frequente nos EUA.

 

As lesões traumáticas podem ser evitadas ou minimizadas pelo uso de calçados e trajes corretos. Também é importante o aquecimento prévio, preparo físico apropriado e orientação técnica adequada específica para cada atividade. Músculos fortes e alongados são os fatores de maior proteção aos joelhos.

 

Quando surgem as lesões ou as doenças, a definição do tratamento mais adequado vai depender da situação do paciente. Algumas vezes é necessária a troca articular por uma prótese interna (artroplastia). Mas em outras situações uma cirurgia de alinhamento preventiva pode ser mais indicada. Outra opção é a limpeza articular (toalete condral). Doenças como diabetes, gota (causada por ácido úrico elevado) e distúrbios hormonais também podem afetar prioritariamente os joelhos.

 

O tratamento cirúrgico para as lesões traumáticas, quando necessário, é realizado com auxílio de videocirurgia e equipamentos de tecnologia de ponta tais como mini-instrumentos motorizados, aparelhos de rádio frequência e outros de tecnologia de precisão digital. Existem atualmente materiais bioabsorvíveis, fios de sutura e dispositivos de fixação altamente resistentes. Aliados a técnicas cirúrgicas e anestésicas modernas tornam o pós-operatório menos sintomático e sem uso de imobilizações, permitindo assim uma assistência fisioterápica e um restabelecimento precoce.

 

A fisioterapia pode ser iniciada imediatamente após a cirurgia, antes da alta do paciente da unidade hospitalar. Depois da alta, o tratamento fisioterápico pode ser complementado em clínicas especializadas, permitindo um rápido retorno ao trabalho e uma recuperação até o nível anterior de atividade física praticada. Técnicas fisioterápicas mais atuais de reabilitação também são fatores de êxito para uma recuperação plena.

 

Qualidade de atividade física

 

Assim com a alimentação e o sono, a atividade física também deve ser de qualidade.  Apesar de toda atividade física ser considerada saudável, uma atividade física programada, realizada em condições apropriadas e sem estresse tem baixo risco de lesões e resultados muito melhores.

 

Dr. Cícero F. Stahnke – CRM/SC 4955 / SBOT 4527 / SBME 102474

• Médico Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina

• Residência Médica no Hospital das Doenças do Aparelho Locomotor (SARAH-DF)

• Membro Titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT)

• Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho (SBCJ)

• Miembro de la Sociedad Latinoamericana de Artroscopia, Rodilla y Traumatología Deportiva (SLARD)

• Membro da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte

• Título de Especialista em Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e Medicina do Exercício e do Esporte (SBME)

Baía Sul Ortopedia

Fone/fax: (48) 3028-8080

baiasulortopedia@uol.com.br




CreativeBizz

Guia Médico - Orgão Informativo da Área da Saúde de Florianópolis - atendimento@guiamedicoflorianopolis.com.br