Notícia

Publicado em: 17/10/2020

A adaptação metabólica não é uma barreira importante para a manutenção da perda de peso

Imagem_noticia_perda_peso.jpg

O estado de obesidade reduzido está associado a uma redução significativa do gasto energético total (GET), atribuível tanto a uma redução no gasto energético (GE) em repouso quanto em não repouso. Embora essa redução provavelmente seja impulsionada principalmente pela perda de tecido metabolicamente ativo, alguns relataram uma redução no GET e/ou seus componentes (GE em repouso e não repouso) em excesso do que seria previsto,dado as perdas medidas em massa gorda (MG) e massa livre de gordura (MLG), um mecanismo conhecido como adaptação metabólica ou termogênese adaptativa.


Essa conservação de energia (ou “modo de hibernação”), ativada em resposta à perda de peso, tem sido uma das questões mais polêmicas no campo da obesidade, não apenas em termos de sua existência, mas também de sua relevância clínica se existir. Tem sido sugerido ser um potencial mecanismo explicativo para a resistência à perda de peso e um importante impulsionador da recuperação do peso a longo prazo (recaída). Alguns argumentaram que as reivindicações emtorno da adaptação metabólica são exageradas e outros mostraram que, quando os indivíduos com peso reduzido e obesidade são comparados com controles compatíveis com IMC ou contra uma equação de predição, não existe evidência deadaptação metabólica ao nível da taxa metabólica de repouso (TMR).

Embora tenha sido argumentado que as discrepâncias entre os estudos derivam da falta de exatidão e precisão na medição de GE e composição corporal, o estudo hipotetizou aqui que as diferenças entre os estudos derivam de inconsistências relacionadas ao estado do balanço energético (BE) e/ou estabilidade de peso dos participantes quando as medições são realizadas. O requisito do estado de BE provavelmente é importante não apenas para as medições de linha de base, quando os modelos de regressão são derivados dos próprios dados, mas também para os dados pós-perda de peso subsequentes, quando a adaptação metabólica é investigada, como a diferença entre os valores medidos e previstos.

 

As taxas de obesidade são mais altas em negros do que em brancos, e as mulheres negras consistentemente perdem menos peso em resposta a intervenções no estilo de vida. Diferenças na adaptação metabólica entre as raças poderiam contribuir para isso e pelo menos 1 estudo mostrou que a redução da TMR observada com a perda de peso é maior em negros do que em brancos, após ajuste para mudanças na composição corporal. No entanto, a grande maioria dos estudos sobre adaptação metabólica foi realizada em brancos.

 

OBJETIVOS DO ESTUDO

O objetivo principal desta análise foi determinar se a adaptação metabólica, no nível de TMR, existe em uma população de mulheres com sobrepeso na pré-menopausa, com medições feitas em condições de estabilidade de peso (4 semanas) no início do estudo, após a perda de peso e também em 1 e 2 anos de acompanhamento. Os objetivos secundários foram observar as diferenças raciais(brancos comparados com negros) na adaptação metabólica e investigar se a adaptação metabólica estava correlacionada com a recuperação de peso em 1 ou 2 anos de acompanhamento.

 

MÉTODOS

Um total de 171 mulheres com sobrepeso [IMC (kg/m2): 28,3 ± 1,3; idade:35,2 ± 6,3 anos; 88 brancos e 83 negros] se inscreveram em um programa de perda de peso para atingir um IMC <25 e foram acompanhadas por 2 anos. Peso corporal e composição (modelo de 4 compartimentos) e TMR (calorimetria indireta) foram medidos após 4 semanas de estabilidade de peso no início do estudo, após perda de peso e em 1 e 2 anos. A adaptação metabólica foi definida como uma medida significativamente menor em comparação com TMR previsto (do próprio modelo de regressão).

 

RESULTADOS

Os participantes perderam, em média, 12 ± 2,6 kg e recuperaram 52% ±38% e 89% ± 54% do peso inicial perdido em 1 e 2 anos de acompanhamento,respectivamente. A adaptação metabólica foi encontrada após a perda de peso (-54 ± 105 kcal/d; P <0,001), sem diferença entre as raças e foi positivamente correlacionado com a perda de massa gorda, mas não com o ganho de peso, em geral. Em um subconjunto de mulheres (n = 46) com dados em todos os pontos de tempo, a adaptação metabólica estava presente após a perda de peso, mas não em 1 ou 2 anos de acompanhamento (-43 ± 119, P = 0,019; -18 ± 134, P = 0,380; e –19 ± 166, P = 0,438 kcal/dia, respectivamente).

 

CONCLUSÕES

Em mulheres com sobrepeso, a adaptação metabólica no nível de TMR é mínima quando as medidas são realizadas em condições de estabilidade de peso e não prevê recuperação de peso em até 2 anos de acompanhamento.

 

O estudo JULIET está registrado em https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT00067873como NCT00067873. Am J

 

Clin Nutr 2020; 112: 558–565.

 

Fonte: ABRAN





Inserir Comentário

CreativeBizz

Guia Médico - Orgão Informativo da Área da Saúde de Florianópolis - atendimento@guiamedicoflorianopolis.com.br